A Rede

A Rede das Aldeias do Xisto é constituída por 27 aldeias distribuídas pelo interior da Região Centro de Portugal. Estes pequenos núcleos agregam o potencial turístico regional reflectido na arquitectura, nas amenidades ambientais, na gastronomia e nas tradições, entre outros elementos culturais distintivos apresentados em produtos e serviços de excelência.
A Rede das Aldeias do Xisto é um projecto de desenvolvimento sustentável, de âmbito regional, liderado pela ADXTUR- Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto, em parceria com 21 Municípios da Região Centro e com mais de 100 operadores privados que actuam no território.
Os objectivos das Aldeias do xisto são a preservação e a promoção da paisagem cultural do território, a valorização do património arquitectónico construído, a dinamização do tecido sócio-económico e a renovação das artes e ofícios.

As Aldeias do Xisto são a porta de entrada para um território maravilhoso com uma variada oferta de turismo e lazer em íntimo contacto com a Natureza e com as tradições culturais da região. Para quem gosta de caminhar, existem mais de 600Km de percursos pedestres devidamente homologados. Os amantes de BTT vão ficar surpreendidos com a oferta de trilhos com vários níveis de dificuldade ancorados nos Centros de BTT, autênticas estações de serviço em regime de self-service adaptadas aos praticantes da modalidade. Durante o Verão, a rede de praias fluviais permite momentos refrescantes e tranquilos nas mais puras águas do país. Nas Lojas Aldeias do Xisto encontrará produtos gourmet e artesanato tradicional e contemporâneo, que poderá apreciar enquanto saboreia um chá. E já que falamos de sabor, prepare-se para deixar a dieta de lado pois os restaurantes parceiros elevam a gastronomia regional a um patamar de excelência. Explore a nossa agenda de eventos, há sempre algo de surpreendente e inovador a acontecer por aqui, seja um concerto de jazz ou fado, um entrudo tradicional ou uma actividade e desporto outdoor. E no fim do dia, aninhe-se num dos muitos alojamentos existentes nas aldeias. Ao acordar vai querer repetir tudo novamente.

História da Rede das Aldeias do Xisto

No princípio era o território. Esse território construiu a sua identidade.
A identidade inovou sobre o património que lhe dava a identidade. Passo a passo se construiu uma rede. E outra. E se estruturou uma marca competitiva.
E o caminho continua para afirmar a marca Aldeias do Xisto.

O Programa das Aldeias do Xisto (PAX) foi uma iniciativa que se iniciou e desenvolveu no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio (2000-2006), através do Programa Operacional Regional do Centro, em cujo âmbito existiu a denominada Acção Integrada de Base Territorial do Pinhal Interior.

Esta iniciativa foi dedicada ao território de 21 concelhos no centro de Portugal e visou estruturar o território em redes, tirando partido do seu potencial: aldeias, cursos de água, percursos. Assim surgiram a Rede das Aldeias do Xisto, a Rede de Praias Fluviais e a Rede Caminhos do Xisto.

Entre 2000 e 2002 o programa foi pensado e planeado em colaboração com os municípios, visando criar uma marca no território partindo da forte identidade de um conjunto de povoações e inovando nos métodos e na forma de o requalificar. À medida que se desenvolveu o número de aldeias aderentes foi crescendo, até às 24 que constituíam a Rede em 2007.

O apoio do PAX para uma dada aldeia dependia da apresentação e aprovação de um documento de caracterização e planeamento da intervenção: o Plano de Aldeia. Em meados de 2002 foi aprovada a primeira geração de Planos de Aldeia (8). A Rede saía do papel e dava o primeiro passo. A segunda geração de aldeias surgiu no final do mesmo ano. Mais 15 aldeias se juntavam. A Rede ganhava a escala do seu território. A adesão dos proprietários e habitantes, aliada à qualidade das intervenções orientadas pelos técnicos das Câmaras Municipais e à comunicação adoptada, suscitava desejos de novas adesões.
Em meados de 2005 são aprovados quatro novos Planos de Aldeia. A Rede reforçava-se e tornava-se mais coerente.

A ADXTUR e a criação da marca

O PAX viria a terminar com o fim do III Quadro Comunitário de Apoio. Mas pensou em como a Rede deveria continuar a ser dinamizada. De facto, o PAX fomentou a criação da ADXTUR - Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto. A Administração Pública passou a liderança do processo para uma parceria de municípios, associações e agentes privados. Esta opção fez toda a diferença: a sua capacitação institucional permitiu que a Rede iniciasse uma fase absolutamente inovadora de definição da estratégia pelo colectivo dos parceiros. Vinham aí novos projetos. E era necessário aproveitá-los ao máximo.

A criação da marca Aldeias do Xisto enquanto destino turístico de qualidade, efetivou no terreno uma rede público-privada potenciadora de uma identidade de base regional que catapultou as potencialidades e características exclusivas da Região Centro, criando um posicionamento que afirmou a sua diferença no mercado de turismo nacional e internacional.

A estratégia de rede, planeada, fez com que houvesse um grande envolvimento com todos os atores do território, nomeadamente técnicos municipais, população residente, entidades e agentes. Numa parceria entre os agentes privados e públicos do território, desenvolveu-se um projeto global de promoção, comunicação e animação que promoveu os valores endógenos do território: natureza, desporto outdoor, tradição, património, gastronomia, lazer, alojamento rural. Considerando o conjunto das 27 Aldeias do Xisto e o seu potencial em termos de aproveitamento turístico, estamos perante um património cultural, histórico e social que se assume como marca exclusiva da Região Centro e do País.

Social Label

O Programa das Aldeias do Xisto promoveu ainda os produtos locais, a animação turística das aldeias e a qualificação dos seus habitantes e agentes económicos através de ações de formação profissional. O ponto fulcral de todas estas intervenções está centrado nas pessoas, isto é, há uma estratégia de desenvolvimento que, embora prioritariamente alicerçada no aproveitamento turístico do território, sempre teve como meta final a melhoria das condições de vida das populações residentes, criando emprego e qualificando os recursos humanos de forma a permitir o surgimento de uma nova base económica. Em suma, afirmar as aldeias enquanto património com potencial turístico, com as pessoas e as suas vivências.

Aldeias DO Xisto ou Aldeias DE Xisto?

Esta rede de aldeias não tem um carácter temático. O visitante não deve estar à espera de encontrar apenas aldeias construídas em xisto, como se de um parque temático se tratasse. A Rede Aldeias do Xisto é uma rede territorial que inclui várias tipologias de aldeias que nele existem.

O território é geologicamente dominado por algumas variedades de xisto. Aspecto determinante para os seus relevos de cumes arredondados e vales profundos, para a sua paisagem ondulante e para os tipos de construções que milhares de anos de ocupação humana aqui foram deixando. Por isso a denominação Rede Aldeias DO Xisto.

Mas, aqui e ali, uma “ilha” de granito, uma linha de quartzitos, uma aldeia historicamente mais rica que rebocou as suas casas como sinal distintivo, ou os calhaus rolados arrastados e disponibilizados por um curso de água próximo, foram os materiais construtivos que desde sempre o Homem por aqui utilizou para um muro, para uma ponte, para uma calçada ou para os edifícios.

E este é um exemplo de como, também com a diversidade, se constrói uma rede.