Aldeia

Aigra Velha

Uma aldeia de topo

Aqui tudo é simples, feito segundo o padrão da natureza que nos envolve.

Aigra Velha é a Aldeia do Xisto que se encontra a maior altitude (770m). Próxima dos cumes da Serra da Lousã, mas com fácil acesso. É um pequeno aglomerado, mas de largos horizontes. A envolvente paisagística da aldeia faz toda a diferença. Aqui tudo é simples, feito segundo o padrão da natureza que nos envolve.

Implantada numa cumeada da serra, Aigra Velha é circundada por alguns terrenos agrícolas e uma vasta área de pastoreio. Se, por um lado, avista a Serra da Estrela, a Este dá para os colossais Penedos de Góis.

O conjunto das construções organizaram-se num arranjo defensivo contra as intempéries meteorológicas, os intrusos e animais selvagens como os lobos, permitindo comunicação e circulação entre os diferentes espaços, mas mantendo a privacidade de cada família.

Aqui poderá ouvir as histórias antigas de caravanas de comerciantes que vagueavam pela serra e paravam para pernoitar. À noite havia lobos, o que levou os habitantes a cortar a única rua da aldeia e a fazer ligações internas entre as casas. Estas paredes de xisto, rodeadas de pastagens verdes, são o abrigo antes de partir à descoberta do Parque Florestal da Oitava e da Ribeira da Pena.

 

Ficheiros relacionados

Conhecer a Aldeia

Património

O conjunto das construções, sendo pequeno, tem uma malha urbana complexa, em virtude das relações familiares e comunitárias que se estabeleceram entre os proprietários das diferentes construções. Estas apenas possuem o nível térreo e organizaram-se num arranjo defensivo contra as intempéries meteorológicas, os intrusos e os animais selvagens (lobos), permitindo comunicação e circulação entre os diferentes espaços, mas mantendo a privacidade de cada família. Encontramos semelhante organização no núcleo primitivo da Aldeia do Xisto de Figueira (Proença-a-Nova).

Cada cozinha tinha um esconderijo, entre a cozinha e os currais, que servia para esconder alimentos considerados excedentes pelos fiscais do Estado Novo, que vinham às aldeias do interior confiscar os seus mantimentos. Cada casa tinha uma gateira, um buraco na parede para a passagem dos gatos. Estes animais eram muito estimados, pois serviam para liquidar os roedores que se alimentavam de cereais e, dentro dos armários, do vestuário das pessoas. Havia também, em cada cozinha, um caniço, estrutura localizada acima da lareira/fogão que servia para fumar as castanhas no Outono, conservando-as durante o Inverno. À medida que se nos afastamos da aldeia, podemos ver os terrenos praticamente sem vegetação. Só aqui é possível ver isto. São terrenos de pastagem que são no Verão queimados para rebentar vegetação nova. Há algumas décadas atrás a Serra estava toda assim e os aldeões tinham que caminhar muito para conseguir arranjar lenha.

O material de construção predominante é o xisto, acompanhado por escassos elementos de quartzito.  Esta pequena aldeia forma um conjunto que também integra - numa relação de proximidade e de funcionalidade - as outras três Aldeias do Xisto do concelho de Góis.

A aldeia apenas é dotada dos equipamentos mínimos, alguns no espaço público, outros privados.

Merecem destaque:

  • Forno e alambique da Família Claro
    Equipamentos particulares, pertencentes à família Claro, utilizados para a confecção de produtos (pão e aguardente de mel) de consumo próprio. Ambos os equipamentos foram recentemente restaurados ao abrigo do Projecto ECO-ARQ.
  • Tanque
    Aqui armazena-se a prevenção contra um eventual incêndio.
  • Fonte
    No início da Quelha da Bica uma fonte canta, permanentemente, notas de água fresca que flui para o encontro, lá em baixo no fundo vale, com a Ribeira de Pena.

História

A povoação já existia no séc. XVI. Aigra é topónimo algo comum em Portugal. Originário do termo clássico latino ager que evoluiu para agra que tem como significado “campo” ou “quinta”.  VITERBO (1798) também nos aponta a possibilidade de acra ou acrus que significa uma certa porção de terreno que os servos ou escravos deviam cultivar.

No “Cadastro da população do Reino (1527)” consta no termo da villa de Goys a existência da então denominada hegra cemejra onde vivia um morador. O nome de Aigra Velha terá surgido após uma designação como aigra cimeira respeitante a quinta ou a um novo campo de cultivo que foi instalado em altitude superior, quando comparado com a existência de outra aigra (Aigra Nova).

As primeiras formas de povoamento que se conhecem no concelho de Góis datam do período neolítico ou bronze I, como testemunham os diversos vestígios e achados arqueológicos (machados de pedra e metálicos, objectos de adorno, moedas, arte rupestre – pedra letreira), encontrados a Norte deste território. A origem destes núcleos verificou-se durante o período do ferro, com a formação de pequenas povoações nas encostas e nos topos das colinas, sendo algumas delas posteriormente abandonadas durante a idade média.

Fazendo face à dificuldade sentida de atravessamento da região, conta-se que teria existido uma estrada "romana" ou "medieval", cujo trajecto seria feito nomeadamente pela Aigra Velha e pela Pena, fazendo parte da rota de mercadorias que se estenderia de Lisboa até ao Norte, tendo como produtos de troca para Norte o sal, especiarias e tecidos. Desta forma, a Aigra Velha desempenharia um papel activo na prossecução ritual desse circuito, vendo desenvolver-se a economia tradicionalmente ligada à agricultura e pastorícia.

Ao vencer a subida até Aigra Nova encontramos ainda um bloco de construções integrado na aldeia que aparenta relativa historicidade pelo carácter da construção, bem como pelo grau de destruição, e que marca o início da comunidade da Aigra Velha.

Natureza

Sanguinho-de-água.

Aigra Velha está incluída no Sítio de Importância Comunitária Serra da Lousã, da Rede Natura 2000. No extremo Norte da aldeia existe um castanheiro (Castanea sativa) monumental e secular. Também de dimensões notáveis, um Sanguinho-de-água (Frangula alnus) esconde-se entre a restante vegetação da linha de água.

Um grupo de bétulas com o seu característico tronco branco, embeleza o espaço envolvente ao tanque e os azereiros espalham-se ao longo da linha de água que, da aldeia, se dirige para os lados dos Penedos de Góis, onde desagua na Ribeira da Pena. Os veados visitam quase todas as noites as imediações da aldeia.

Sem nome nos livros ou nos mapas, a pequena ribeira que atravessa a aldeia recebe as águas das chuvas que lavam a aldeia. Foi para lá que sempre correu o sangue, o suor e as lágrimas de todos os que ali habitaram. As suas águas correm por entre um grande número de azereiros. Lá no fundo do vale encontram a Ribeira da Pena que procura o Ceira. O Mondego dilui no Atlântico a sua existência.

Do património natural riquíssimo que envolve estas aldeias destacam-se os penedos de Góis, ex-libris da região, e o parque florestal da oitava, habitat de aves em vias de extinção e de mamíferos, como os veados e corços, que dificilmente se encontram noutras zonas do país.

 

Território

Aigra Velha fica a 14 km de Góis. É servida pela EN342 (passando por Comareira e Aigra Nova), da qual dista 6 km, e pela EN2 (passando por Pena), da qual dista 7 km, dois dos quais num troço em terra batida, transitável com as devidas precauções de condução.

Esta aldeia está implantada numa cumeada da serra, sendo circundada por alguns terrenos agrícolas e uma vasta área de pastoreio. Aigra Velha avista a Serra da Estrela e, em frente, a Este, vê elevarem-se os colossais Penedos de Góis.

Penedos de Góis:

... massa eriçada e penhascosa, que, por ser visível de muito longe, constitui um dos traços fisionómicos mais salientes de algumas paisagens da Beira."
Raúl Proença (ND, c. 1940) "Estradas de Portugal - Estradas da Beira Meridional"

Estórias e Factos

A origem do nome
O nome Aigra Velha terá surgido após uma designação como aigra cimeira respeitante a quinta ou a um campo de cultivo que foi instalado em altitude superior, quando comparado com a existência de outra aigra (Aigra Nova).

Factos

  • Habitantes permanentes: menos de 10

  • Padroeiro: Santo António

  • Ex libris: Penedos de Góis

Festividades

Produtos

  • Castanhas
  • Cabritos
  • Queijo de cabra
  • Aguardente de mel
  • Broa cozida em forno de lenha

Sugestões para a aldeia de Aigra Velha

Ver e fazer em Aigra Velha

Ponto de Interesse
Ver Ponto de Interesse Adicionar ao Roteiro
Associado

Loja do Candal

Candal, Lousã

Muito bem localizada e de fácil acesso, a Loja do Candal oferece toda a qualidade e variedade dos produtos das Aldeias do Xisto, enquanto saboreia um chá e uma fatia de bolo.

Páginas

Comer e Dormir

Páginas

Contactos e Informações

Localização:
Aigra Velha, Góis
Como chegar:
De Norte e Sul
Na A1 sair em Coimbra. Tome a N17 e saia na N342 no sentido da Lousã. Continue em direcção a Góis até encontrar as placas indicativas (à direita) das quatro Aldeias do Xisto.

De Espanha
Na A23 sair em direção a Fundão-Sul. No Fundão seguir pela N238 em direção a Silavres. Siga em frente até ao Orvalho. Aí tome a direção de Pampilhosa da Serra. Apanhe a N2 no sentido de Góis. Continue pela N342 até encontrar (à esquerda) as placas indicativas das quatro Aldeias do Xisto.

Contactos

Associado

Câmara Municipal de Góis

Góis 
Portugal
(+351) 235 770 110

Posto de Turismo de Góis

Largo Francisco Inácio Dias Nogueira
3330 Góis 
Portugal
(+351) 235 770 113

O que outros já partilharam

0 comentários

Grupos nas Aldeias do Xisto